RCC celebrará Jubileu de Ouro em 2017 com o Papa Francisco

RCC celebrará Jubileu de Ouro em 2017 com o Papa Francisco

Cidade do Vaticano (RV) - A Renovação Carismática Católica celebrará seu Jubileu de Ouro na Praça São Pedro, na Solenidade de Pentecostes em 2017, junto com o Papa Francisco. Surgido em meados da década de 60 nos Estados Unidos, o movimento conta com mais de 100 milhões de seguidores em todo o mundo. No Brasil, algumas estimativas indicam que os carismáticos seriam 10 milhões.

Papa no Angelus: “Ser cristão e ser missionário é a mesma coisa”

Papa no Angelus: “Ser cristão e ser missionário é a mesma coisa”

Às 12 horas de hoje, domingo, 24 de janeiro, o Santo Padre Francisco se aproximou da janela de seu escritório no Palácio Apostólico Vaticano para rezar o Angelus com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro. Eis as palavras pronunciadas pelo Papa antes da oração mariana:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

No Evangelho de hoje, o evangelista Lucas antes de apresentar o discurso programático de Jesus em Nazaré, resume sua atividade evangelizadora. É uma atividade que Ele cumpre com a força do Espírito Santo: a sua palavra é original, porque revela o sentido das Escrituras; é uma palavra que tem autoridade, porque manda até mesmo nos espíritos impuros e eles obedecem (cf. Mc 1,27). Jesus é diferente dos mestres de seu tempo. Não abriu uma escola para o estudo da Lei, mas pregava e ensinava em todo lugar: nas sinagogas, pelas ruas e nas casas. Jesus é diferente também de João Batista que proclama o juízo iminente de Deus, enquanto Jesus anuncia o seu perdão de Pai.

E agora imaginemo-nos entrando na sinagoga de Nazaré, cidade onde Jesus cresceu até os trinta anos. O que acontece é um fato importante que delineia a missão de Jesus. Ele se levanta para ler a Sagrada Escritura. Abre o livro do profeta Isaías e encontra a passagem onde está escrito: “O Espírito do Senhor está sobre mim; porque ele me consagrou com unção e me enviou para anunciar a Boa Nova aos pobres “(Lc 4,18). Depois de um momento de silêncio cheio de expectativa por parte de todos, diz, diante da perplexidade geral: “Hoje se cumpriu essa passagem da Escritura, que vocês acabaram de ouvir” (v. 21).

Evangelizar os pobres: esta é a missão de Jesus; esta é também a missão da Igreja, e de todo batizado na Igreja. Ser cristão e ser missionário é a mesma coisa. Anunciar o Evangelho com a palavra e, primeiramente, com a vida, é a finalidade principal da comunidade cristã e de todo seu membro. Observa-se que Jesus dirige a Boa Nova a todos, sem excluir ninguém, aliás, privilegia os que estão distantes, os sofredores, os doentes, os descartados pela sociedade.

Perguntemo-nos: o que significa para evangelizar os pobres? Significa se aproximar deles, ter alegria em servi-los, libertá-los de sua opressão e tudo isso no nome e com o Espírito de Cristo, porque é Ele o Evangelho de Deus, é Ele a Misericórdia de Deus, é Ele a libertação de Deus, é Ele que se fez pobre para nos enriquecer com a sua pobreza. O texto de Isaías, reforçado por pequenas adaptações introduzidas por Jesus, indica que o anúncio messiânico do Reino de Deus que veio ao nosso meio, se dirige de forma preferencial aos marginalizados, prisioneiros e oprimidos.

Provavelmente no tempo de Jesus estas pessoas não estavam no centro da comunidade de fé. E nos perguntamos: hoje, em nossas comunidades paroquiais, nas associações e nos movimentos, somos fieis ao programa de Jesus? A evangelização dos pobres, levar-lhes a Boa Nova, é a prioridade? Atenção: não se trata de prestar assistência social e muito menos de atividade política. Trata-se de oferecer a força do Evangelho de Deus que converte os corações, cura novamente as feridas, transforma as relações humanas e sociais segundo a lógica do amor. Os pobres, de fato, estão no centro do Evangelho.

A Virgem Maria, Mãe dos evangelizadores, nos ajude a sentir com vigor a fome e a sede do Evangelho que existem no mundo, especialmente no coração e na carne dos pobres. Que ela ajude cada um de nós e toda comunidade cristã a testemunhar concretamente a misericórdia, a grande misericórdia, que Cristo nos doou.

Depois do Angelus

Queridos irmãos e irmãs,

Saúdo com afeto a todos que vieram de diferentes paróquias da Itália e de outros países, bem como as associações e as famílias.

Em particular, saúdo os estudantes de Zafra e os fiéis do Cervellò (eu sou espanhol); os participantes da conferência patrocinada pela “Comunidade mundial para a meditação cristã”;  grupos de fiéis da Arquidiocese de Bari-Bitonto, de Tarcento, Marostica, Prato, Abbiategrasso e Pero-Cerchiate.

 

Fonte: Zenit.org

Desejo a todos um bom domingo e por favor não se esqueçam de rezar por mim! Bom almoço e até breve!

Comissão para Laicato promove Seminário em Brasília

Comissão para Laicato promove Seminário em Brasília

A Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) realizou, entre os dias 6 e 8 de outubro, no Centro Cultural Missionário (CCM), Brasília (DF), o 8º Seminário com os bispos referenciais dos regionais e representantes de novas comunidades, associações e movimentos de leigos de todo o Brasil.

Na pauta da reunião, estava o texto de Estudos 107A “Cristão leigos e leigas na Igreja e na sociedade – sal da terra e luz do mundo”, que teve seu conteúdo avaliado com propostas de elementos que podem ser acrescentados. 

Na ocasião, os membros da Comissão fizeram o planejamento das atividades para os próximos quatro anos. No evento, os representantes de movimentos, associações e novas comunidades, do Curso de Formação Política do Centro de Fé e Política Dom Helder Câmara (Cefep) e das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) falaram sobre suas respectivas realidades. “Nós percebemos que há um interesse muito grande de despertar o laicato no Brasil, a participação, a sua missão de fato de ser transformador na sociedade, uma presença mais ativa na Igreja e na sociedade”, comenta o bispo de Caçador e presidente da Comissão para o Laicato da CNBB, dom Severino Clasen.

Sobre o papel dos bispos e o apoio ao serviço dos leigos, dom Severino aponta os prelados como agentes de animação. “Os bispos devem ser incentivadores, animadores. Eles precisam fazer que com a luz possa de fato brilhar, e os leigos precisam também caminhar, eles não podem ficar apenas nas dependências e por isso o papel fundamental dos bispos é de animação”, afirma.

Dom Severino também destaca as várias iniciativas que foram compartilhadas durante o Seminário. “Foi muito bonito [ouvir] a experiência de como os leigos estão atuando de fato comprometidos na transformação da sociedade, não só da Igreja, mas muitas vezes ficamos muito para parte interna, muito para dentro da Igreja e nós somos uma presença responsável na transformação da sociedade”, ressalta.

CNBB apoia campanha de resgate às crianças desaparecidas

CNBB apoia campanha de resgate às crianças desaparecidas

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil está apoiando, em conjunto com outras entidades, a campanha “Vamos resgatar nossas crianças!”, promovida pelos conselhos Federal (CFM) e Regionais de Medicina (CRMs). O objetivo é colaborar para a elucidação de casos de desaparecimento de crianças, por meio da atuação das autoridades competentes.

No site do CFM é possível cadastrar um desaparecimento e buscar por crianças desaparecidas. São oferecidos formulários online para os dois serviços. O endereço eletrônico também dispõe de dicas para médicos e familiares de como evitar e agir em casos suspeitos de desaparecimento.

De acordo com o Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Desaparecidos, ligado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, atualmente há 371 casos de desaparecimentos de crianças e adolescentes entre 4 e 15 anos, sendo 204 meninos e 167 meninas. Apenas quatro pessoas foram localizadas. As informações ainda não refletem a realidade, uma vez que o serviço disponibilizado precisa “mapear iniciativas estaduais de registro e divulgação de casos de crianças e adolescentes desaparecidos e, com o apoio das redes de segurança pública e de direitos da criança e do adolescente, registrá-los na base nacional”. Essa ação é necessária para “consolidar uma matriz nacional” de dados a respeito do tema.

De acordo com o CFM, são mais de 250 mil casos de crianças desaparecidas no Brasil. As estatísticas apontam um desaparecimento a cada 15 minutos no país. O tráfico humano, tema da Campanha da Fraternidade de 2014, faz mais de 20 milhões de vítimas no mundo. O principal motivo de fugas e sumiço de menores são os maus-tratos.

Um folder confeccionado pelo CFM apresenta informações de como evitar um desaparecimento, explicando que os pais devem, por exemplo, ensinar à criança o nome completo e o telefone dos responsáveis e a “não aceitar alimento, falar ou sair com estranhos ou pessoas não autorizadas”. Também são indicadas ações de como proceder numa situação, além de abordar a norma da Lei 11259/2005, que prevê a busca imediata pela criança a partir da ocorrência policial.